Síndrome da angústia respiratória








A Síndrome da Angústia Respiratória do Aguda (SARA) pode ser definida como uma insuficiência respiratória aguda grave, associada a alterações da permeabilidade da membrana alvéolos capilar com extravasamento de plasma para o interior dos alvéolos resultando com isto, no desenvolvimento de edema pulmonar não-hidrostático. Recebeu esta denominação na década de 1960, sendo que o último “A” significava “adulto”, para que se diferenciasse da angústia respiratória do lactente. Como, entretanto, se observou que a SARA ocorre em todas as faixas etárias, incluindo recém-nascidos a termo,o último “A” passou a denominar-se “aguda”.

Impressionante lesão pulmonar aguda pode ocorrer em adultos como resultado de uma infecção severa, trauma, ou aspiração de conteúdo estomacal para os pulmões. A síndrome é conhecida como síndrome da angústia respiratória aguda ou do adulto (SARA).

A injúria do pulmão é caracterizada pelo extravasamento de líquidos dos capilares para o pulmão levando a inundação dos espaços aéreos (álveolo) com fluidos. Não existe um tratamento específico para a doença e a mortalidade está em torno de 40%. A síndrome da angústia respiratória, ou doença da membrana hialina é uma desordem que ocorre em recém-nascidos, mais freqüentemente em prematuros. É uma indicação de desenvolvimento incompleto dos pulmões; as crianças sofrem pela dificuldade de respirar e transferência deficiente de oxigênio para o sangue. Tratamento com surfactante, uma ajuda da medicina para maturar o pulmão, tem sido mostrada ser efetiva em alguns casos.

A função pulmonar normal requer alvéolos patentes e secos situados de forma próxima aos capilares que o perfundem. A lesão primária da SARA esta localizada na membrana alvéolo-capilar, estas células (endoteliais) realizam a produção e a degradação de prostaglandinas, metabolizam aminas vasoativas, convertem angiotensina I em angiotensina II, produzem em parte, fator VIII. O pneumócito tipo I forra a parede dos alvéolos e é através deles que ocorre a troca gasosa. O pneumócito II é caracterizado por possuir muitos corpos lamelares que produzem o surfactante.Com a lesão teremos uma série de eventos fisiopatológicos que irão culminar com um quadro de insuficiência respiratória aguda.

Quanto ao acometimento pulmonar, a doença é progressiva, caracterizada por diferentes estágios clínicos, histopatológicos e radiográficos.

Publicada em 11/08/09 e revisada em 06/07/17


Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Tenho indicações para você apofundar seus estudos em Cardiologia. Espia só:
  • Sistema Cardiovascular: anatomia e fisiologia
  • Curso de Eletrocardiograma Básico
  • Drive Virtual de Fisioterapia na Cardiologia
  • Curso Online de Fisioterapia Aplicada à Cardiologia


  • Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.