Troca e transporte de gases no pulmão







Após os alvéolos serem ventilados com ar fresco, a próxima etapa no processo da respiração é a difusão do O2 dos alvéolos para o sangue e do CO2 no sentido oposto do sangue para os alvéolos.


Esta troca ocorre nas membranas respiratórias (todas as superfícies pulmonares) por meio de difusão, ou seja, tanto O2 quanto o CO2 passam do meio mais concentrado para um meio menos concentrado.


Como se pode perceber tanto O2 quanto CO2 tem um sentido oposto durante a difusão.


                                   


A difusão depende de cinco fatores:


1.      Solubilidade do gás em um liquido.

2.      A área da reação transversa do liquido.

3.      A distancia através da qual o gás deve difundir.

4.      Peso molecular do gás.

5.      Temperatura do gás.


A maioria dos gases com importância na fisiologia da respiração possuem uma solubilidade muito baixa no sangue e o inverso ocorre nos lipídios através da membrana celular onde são muito solúveis.


Quando há edema a membrana celular aumenta em muito a sua espessura, com isso se tem uma maior dificuldade para ocorrer à difusão.


Composição do ar alveolar e sua relação com o ar atmosférico, ao nível do mar.


                          

O ar alveolar não apresenta de modo algum as mesmas concentrações gasosas do ar atmosférico, pois:

  • O ar alveolar é substituído parcialmente por ar atmosférico a cada respiração.
  • O O2 esta constantemente sendo absorvido dos alvéolos para o sangue.
  • O CO2 esta em difusão constante do sangue para os alvéolos.
  • O ar atmosférico seco que penetra nas vias aérea é umidificado antes de chegar aos alvéolos.

A velocidade de renovação do ar alveolar pelo ar atmosférico ocorre de maneira muito lenta, pois em um individuo normal após a respiração no final da expiração o volume de ar que permanece no pulmão é de cerca de 2.300ml, todavia apenas 350ml chegam aos alvéolos a cada respiração normal, como conseqüência disso o ar renovado a cada respiração é de apenas 1/7, pois 2300/350 = 0,007.


Esta renovação lenta do ar é importante para evitar:


o       Alterações súbitas da concentração de gases no sangue.

o       Evitar o aumento ou diminuição excessiva na oxigenação dos tecidos.

o       Alterações súbitas da concentração de CO2 tecidual.

o       Alterações excessivas do pH do sangue e tecidos, quando a respiração é interrompida.

Concentração e pressão de O2 nos alvéolos:

  • É controlado em 1° lugar pela velocidade de absorção de O2 pelos capilares.
  • É controlado em 2° lugar pela velocidade da entrada do novo O2 para os pulmões pelo processo da ventilação.

Concentração e pressão de CO2 nos alvéolos:

  • O CO2 é continuamente formado no organismo, sendo também continuamente liberado nos alvéolos e apartir daí para fora do corpo.
  • A concentração de CO2 no sangue é muito mais importante que a de O2, e a causa disto veremos mais adiante.
  • Se o gás for solúvel no liquido (plasma) ele exerce pouca pressão este é o caso do CO2 que demora a saturar, já o O2 é muito pouco solúvel em meio liquido saturando mais rapidamente.

PV (pressão venosa pulmonar)O2: 40mmHg

PV (pressão venosa pulmonar)CO2: 45mmHg

Pa (pressão artéria pulmonar)O2: 104mmHg

Pa (pressão artéria pulmonar)CO2: 40mmHg

PA (pressão alveolar)O2: 100mmHg

PA (pressão alveolar)CO2: 40mmHg

Espaço morto fisiológico: é na realidade a soma do espaço morto anatômico com outros volumes gasosos pulmonares que não participam da troca gasosa.

o       Por exemplo: determinada área do pulmão é ventilada, mas não perfundida e os gases que chegaram aos alvéolos nestas regiões não podem participar das trocas gasosas e é funcionalmente morto.

o       Também pode ocorrer o contrario onde ocorre a perfusão, mas não ocorre a ventilação, o que resulta em um sangue que não pode fazer as trocas gasosas e a este sangue o chamamos de sangue shunt por sua incapacidade de realizar as trocas gasosas.  

o       O espaço morto fisiológico é maior que o anatômico.

Quando entra O2 no organismo a sua pressão parcial diminui devido a umidificação que ocorre nas vias aéreas, em santos de 160mmHg para 149mmHg. 

  • Pressão alveolar O2 = 104mmHg.
  • Pressão arterial O2 = 100mmHg.
  • Pressão venosa O2 = 40mmHg.

O CO2 é resultado da queima da glicose dentro das células, tendo como função reativar o tampão carbônico para a manutenção do pH.

CO2 + H2O ↔ H2CO3 ↔ H+  +  HCO3-

Este tampão tem como finalidade manter a estabilidade do pH, pois:

o       CO2↑   H+↑     pH↓, o que leva a uma acidose.

o       CO2↓   H+↓     pH↑, o que leva a uma alcalose.

É mais importante manter o equilíbrio de CO2 que o de O2:

  • [CO2] no ar atmosférico é praticamente 0mmHg.
  • [CO2] no ar atmosférico é praticamente 0mmHg. 
  • [CO2] no ar alveolar = 40mmHg.
  • Pressão arterial CO2 = 40mmHg.
  • Pressão venosa CO2 = 45mmHg.

Percebe-se que a diferença entre o sangue venoso e o arterial não pode ser muito grande, pois se isso ocorre-se o sangue venoso seria muito acido.

Quando o sangue venoso passa pelo pulmão deixa cerca de 5mmHg de CO2 saindo para a veia pulmonar com cerca de 40mmHg de CO2, então qualquer problema que impeça este processo em longo prazo acarretará uma acidose respiratória.


  • Acidose metabólica: ocorre por problemas relativos ao metabolismo, por exemplo, excesso de produção de acido lático, no diabético o excesso de corpos cetonicos no sangue e etc... Todos estes problemas aumentam a concentração de H+ no sangue o que por sua vê diminui o pH, para compensar tem-se uma hiperventilação para retirar o CO2 em excesso, os rins aumentam a excreção de íons H+ e a reabsorção de HCO3-.
  • Alcalose metabólica: por problemas do metabolismo tem se a falta de íons H+ e o excesso de HCO3- o que aumenta o pH, é compensado através de uma hiperventilação e os rins aumentam a excreção de HCO3- e a reabsorção de H+.
  • Acidose respiratória: causada por uma ventilação ruim, o que aumenta a concentração de CO2 no sangue que por sua vês diminui o pH do mesmo.Para se compensar 1° tem se os tampões dos líquidos corporais e também os rins necessitam de vários dias para corrigir o problema.
Alcalose respiratória: ocorre quando se tem uma ventilação excessiva que eleva o pH do sangue, para se compensar tem se os tampões corporais e também os rins.
Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Tenho indicações para você apofundar seus estudos em Cardiologia. Espia só:
  • Sistema Cardiovascular: anatomia e fisiologia
  • Curso de Eletrocardiograma Básico
  • Drive Virtual de Fisioterapia na Cardiologia
  • Curso Online de Fisioterapia Aplicada à Cardiologia


  • Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.