Pressão Expiratória na Fisioterapia na Pneumologia








http://www.kineos.cl/images/1208825_558787760854429_1715861418_n.jpg

A manobra de pressão expiratória consiste em deprimir de maneira passiva o gradil costal do paciente, durante o período expiratório, com a finalidade de aumentar a ventilação.

As mãos do fisioterapeuta devem estar acopladas sobre a região paraesternal do tórax do paciente, caso este encontre-se em decúbito dorsal ou apenas com uma das mãos posicionada na região paraesternal enquanto a outra dá suporte à região torácica posterior, se o paciente estiver em decúbito lateral. A manobra deve acompanhar o movimento respiratório do paciente, sendo aplicada durante a expiração como uma pressão contínua no sentido crânio-caudal.

Além de aumentar o volume de ar corrente, uma vez que objetiva "desinsuflar o tórax e os pulmões", esta manobra propicia também um aumento de mobilidade do gradil costal, favorecendo ou ampliando a mecânica pulmonar.

Quando aplicada após a vibratoterapia ou percussão, tem o papel de conduzir secreções para os brônquios de maior calibre, facilitando sua eliminação pela tosse ou aspiração.

Uma observação que deve ser feita é que para a realização da técnica o terapeuta deve posicionar o paciente sobre uma superfície estável afim de evitar possíveis traumatismos nas estruturas osteocondroarticulares torácicas e vertebrais.

É contra-indicada em pacientes com fraturas de costelas, edema agudo de pulmão, pneumotórax espontâneo não controlado, derrame pleural e cardiopatias valvulares.


Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Tenho indicações para você apofundar seus estudos em Cardiologia. Espia só:
  • Sistema Cardiovascular: anatomia e fisiologia
  • Curso de Eletrocardiograma Básico
  • Drive Virtual de Fisioterapia na Cardiologia
  • Curso Online de Fisioterapia Aplicada à Cardiologia


  • Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.