Treinamento muscular com Threshold IMT em Pacientes traqueostomizados









O desmame de pacientes submetidos à ventilação mecânica prolongada foi descrito como a "área cinza da medicina intensiva" [1]. Sendo reconhecido por vários autores como uma mistura de arte e ciência[2].

Atualmente a maioria dos pacientes que estão em ventilação mecânica nas unidades de terapia intensiva mostra alterações da musculatura respiratória já nas primeiras 12 horas mostram que a ventilação prolongada pode levar a atrofia das fibras musculares principalmente as de contrações lentas [3].

O tempo de desmame corresponde à cerca de 40% do tempo de ventilação mecânica sendo que 5 a 20% desses pacientes desenvolvem dependência do ventilador levando a um desmame difícil [1].

 As causas de insucesso na retirado do ventilador mecânico podem ser associadas à falência do centro respiratório, músculos respiratórios ou troca gasosa inadequada concomitantemente a grandes doses de sedativos e relaxantes musculares.

Os pacientes que evoluem com fraqueza dos músculos respiratórios são submetidos a uma avaliação da força desses músculos através da manovacuometria, que pode ser exercida contra um fluxo de ar, que são tomadas a partir do volume residual ou capacidade residual funcional, onde os pacientes inspiram contras altas cargas. Considerando-se o maior valor obtido em três medidas consecutivas[4].

A pimax >20cmH20 seria indicativo de insucesso de desmame, entretanto a medida da força muscular sozinha pode não ser um preditor de sucesso ou insucesso no desmame [5]. Como a maioria dos pacientes em ventilação mecânica não é colaborativa é indicado o uso de uma válvula unidirecional acoplada ao manuvacuometro [3].

O aparelho threshold IMT (carga linear pressórica para treino muscular inspiratório) requer uma pressão pré-determinada para iniciar o treinamento dos músculos inspiratórios [6]. Para promover um tempo e um efeito máximo no treinamento, o tempo inspiratório e a freqüência respiratória devem ser monitorados. O treinamento deve ser realizado 2 a 3 x/dia a uma intensidade de 30 a 40% da Pimax [7].  

O treinamento muscular com o threshold associado a períodos de respiração espontânea mostrou aumento tanto na força como na resistência [3].

A Pimax é a maior pressão que pode ser gerada durante a inspiração forçada contra uma via aérea ocluída [8].

Estudos recentes têm mostrado que o uso de cargas excessivas (>40% da Pimax) e aumento do consumo de oxigênio podem gerar fadiga da musculatura inspiratória. O treinamento inspiratório pode desencadear hipertensão pulmonar em pacientes hipoxêmicos, provavelmente pelo mecanismo de aumento no consumo de oxigênio por parte dos músculos respiratórios submetidos ao treinamento [9].

Valores de Pressão inspiratória máxima acima de – 60cmH2O excluem clinicamente a fraqueza dos músculos inspiratórios[10].

Trabalhos realizando estudos comparativos com protocolos de treinamento muscular mostraram que o fato de treinar foi superior ao grupo que não foi treinado no que diz respeito a medidas de força, endurance e tempo de desmame da população estudada [11].

OBJETIVOS

Verificar o aumento da pressão inspiratória máxima em pacientes traqueostomizados em processo de desmame com o aparelho threshold IMT e  alterações dos sinais vitais durante o treinamento.

CASO CLINICO:

Paciente 51 anos, estilista e tabagista deu entrada na UTI (unidade de terapia intensiva) com quadro de insuficiência respiratória necessitando de ventilação mecânica, raios-X de tórax evidenciando apagamento de cúpulas diafragmáticas, velamento dos seios costofrêicos, densificação pulmonar bilateral e cardiomegalia grau I. A gasometria mostrou alcalose respiratória com hipoxemia, sendo traqueostomizado no 12º dia de internação após 2 tentativas de desmame, mantendo em modo SIMV-v, VC:500ml, PS: 20cmh2O; FR: 12, FRt: 18; Fio2: 40%, Fl: 40l/min,
No 1º dia pós traqueostomia, foi iniciado treinamento muscular com threshold IMT e períodos de respiração espontânea em tubo T, 2x/dia, com carga de 30% da Pimax, sendo a Pimax inicial -20cmH20 com um tempo constante de 6 minutos, apresentando aumento da Pimax para -24cmH2O, onde os sinais vitais mostraram: FC incial: 112bpm; FC final: 115bpm; PASi: 170/100mmhg e PASf: 190/110mmhg; FRi: 24 e FRf: 28; Sato2i: 98% e Sato2f: 95% no período matutino. No período vespertino, foi realizado novo treinamento mantendo pimax de -24cmH2O; sinais vitais: FC incial: 100bpm; FC final: 112bpm; PASi: 160/100mmhg e PASf: 180/100mmhg; FRi: 23 e FRf: 26; Sato2i: 97% e Sato2f: 94%.
   
No 4º dia de treinamento muscular Pimax inicial - 28cmH2O apresentando aumento da pimax para – 32 cmH2O; sinais vitais: FC incial: 68bpm; FC final: 73bpm; PASi: 160/90mmhg e PASf: 160/90mmhg; FRi: 22 e FRf: 24; Sato2i: 98% e Sato2f: 99% no período matutino, no período vespertino manteve mesmos valores de pimax; sinais vitais: FC incial: 84bpm; FC final: 83bpm; PASi: 130/50mmhg e PASf: 130/60mmhg; FRi: 28 e FRf: 26; Sato2i: 94% e Sato2f: 94%

No 5º dia (ultimo dia) pimax inicial -32cmH2O apresentando aumento de pimax para -36cmH2O; sinais vitais: FC incial: 80bpm; FC final: 80bpm; PASi: 170/90mmhg e PASf: 170/90mmhg; FRi: 25 e FRf: 25; Sato2i: 98% e Sato2f: 98% no período matutino, no período vespertino pimax inicial -36cmh2O, com aumento da pimax para -44cmH2O; sinais vitais: FC incial: 82bpm; FC final: 84bpm; PASi: 160/80mmhg e PASf: 160/80mmhg; FRi: 24 e FRf: 23; Sato2i: 93% e Sato2f: 94%
           
Paciente evolui com sucesso no desmame após treinamento muscular com threshold, recebendo alta para enfermaria, com traqueostomia respirando ar ambiente.

Análise dos resultados

Foi descrito  um método para medir a Pimax que não dependia da colaboração do paciente. A válvula é ocluida durante 20 - 25 segundos através de uma válvula unidirecional, sendo comprovado que essa técnica a mensuração da pimax era mais fidedigna que em outros métodos [12].

O ponto principal deste trabalho reside na necessidade de certificar a eficácia do treinamento muscular com carga linear, e demonstrar a efetividade do profissional fisioterapeuta na UTI, atuante na reabilitação do paciente criticamente enfermo.

Dia

Período

Pimax inicial

Carga

Pimax final

Manhã

20 cmH2O

6

24 cmH2O

 

Tarde

24 cmH2O

7

24 cmH2O

Manhã

24 cmH2O

7

24 cmH2O

 

Tarde

24 cmH2O

7

24 cmH2O

Manhã

24 cmH2O

7

28 cmH2O

 

Tarde

24 cmH2O

7

28 cmH2O

Manhã

28 cmH2O

8

32 cmH2O

 

Tarde

28 cmH2O

8

32 cmH2O

Manhã

32 cmH2O

10

36 cmH2O

 

Tarde

36 cmH2O

11

44 cmH2O

               Tabela 1: Variação da medida de pressão inspiratória máxima.

O paciente que recebeu o tratamento durante a internação na UTI apresentou alterações na freqüência respiratória e pressão arterial, não apresentando alterações significativas na frequencia cardiaca e saturação de oxigênio, os quais são monitorados através dos monitores de dados vitais que são constantemente atuantes nos paciente criticamente enfermo. O treinamento muscular com o threshold acarretou um acréscimo significativo no valor da pressão inspiratória máxima após o quinto dia de treinamento


CONCLUSÃO


O treinamento muscular respiratório significa impor ao paciente uma sobrecarga de trabalho para que possa ser realizado um aumento da força e endurance [12].

Na literatura encontramos vários trabalhos com técnicas para treinamento de força e endurance:

  • Alteração da sensibilidade do respirador.
  • Períodos de respiração espontânea em tubo t com intervalos de suporte ventilatório.
  • Dispositivos com carga linear e alinear sendo o mais conhecido com carga linear o Threshold.

O Treinamento dos músculos respiratórios e direcionado para o aumento da força e endurance devida a função que eles necessitam executar [14].

De acordo com os resultados obtidos concluí-se  que o treinamento muscular com o aparelho threshold atinge positivamente  a função de fortalecimento muscular no auxilio do desmame da ventilação mecânica.

Desde o inicio, o objetivo deste trabalho foi comprovar a eficácia do treinamento muscular com o threshold, porem como o estudo foi realizado em apenas um caso clinico , surgiu a necessidade de um estudo mais amplo com um maior numero de pacientes para analisar a eficácia na utilização do aparelho threshold em pacientes que se encontrem em um mesmo estado patológico.

Baseado nos resultados obtidos, conclui-se que é necessária a observação, de que estes resultados não podem ser generalizados devido ao fato da amostra ser muito pequena e das inúmeras variáveis presentes neste estudo.

Contudo a variação encontrada nesta amostra é de grande importância para os futuros estudos na área e serve de referencia para a criação de novos projetos científicos.

REFERÊNCIAS

1. BENITO, NET – Ventilação mecânica, - Ed. Revinter 3 º edição 2002.

2. Sahn SA, Lakshminarayan S. Petty Tl, weaning from mechanical ventilation, JAMA 1976; 235:2.2008-2.212.

3. SARMENTO, G, MINUZZO, LOPES - Fisioterapia em uti - Volume I – Avaliação e procedimentos. Ed. Atheneu -  series Clinicas brasileiras de medicina intensiva 2006.

4. AZEREDO, C.A.C– Técnicas para o desmame no ventilador mecânico. Ed. Manole 1º edição, 2000

5. GOLDSTONE, J. The pulmonary physician in critical care • 10: Difficult weaning 2002; 57; 986-991 Thorax

6. PRYOR, WEBBER – Fisioterapia para problemas respiratórios e cardíacos. Ed. Guanabara & Koogan, 2º edição 2002

7. LEITH and BRADLEY M: Ventilatory muscle strength and endurance training, J Appl Physiol 41:508, 1976

8. CHITTA A, HARRIS Me, LYRALL RA, RAFFERTY GF, POLKEY MI, OLIVIERI D, et al. Whistle mouth pressure as a test of expiratory muscle strength. Europe Respiratory journal, 2001; 17:688-95.

9.RODRIGUES, Sergio leite – reabilitação pulmonar -  conceitos básicos – Ed. Manole – 2003 SP.

10. GAMBARETO, Gilberto: Fisioterapia respiratória em Terapia Intensiva, Ed. Atheneu Sao Paulo, 2006.

11. Pires et al, Inspiratory muscle training with a pressure threshold breathing device in patients with chronic obstructive pulmonary disease, American Rev. Respiratory. 138.689,1998.

12. SARMENTO,G – Fisioterapia respiratória no paciente critico – Ed. Manole – 2005

13. BRAUN, N.M. et al. When should respiratory muscles be exercised? Chest. 84: 76-84, 1983.

14. BRAUN, N.M. et al. When should respiratory muscles be exercised? Chest. 84: 76-84, 1983.


Autor(a): Cristina Aparecida da Silva



Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Tenho indicações para você apofundar seus estudos em Cardiologia. Espia só:
  • Sistema Cardiovascular: anatomia e fisiologia
  • Curso de Eletrocardiograma Básico
  • Drive Virtual de Fisioterapia na Cardiologia
  • Curso Online de Fisioterapia Aplicada à Cardiologia


  • Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.