quinta-feira, 15 de março de 2012

Como a pressão expiratória pode ajudar o Fisioterapeuta






A pressão expiratória (PE), também chamada de Terapia Expiratória Manual Passiva ou Compressão Expiratória, consiste em deprimir passivamente o gradil costal do paciente durante uma expiração forçada, sobretudo na fase final da expiração.  Pode ser realizada com o paciente em decúbito dorsal, lateral ou sentado.
Para sua realização, as mãos do terapeuta devem ser colocadas espalmadas com dedos abduzidos sobre o tórax, com os punhos e cotovelos fixos para a realização dos movimentos acompanhando a dinâmica da respiração e a movimentação rítmica das costelas. A pressão dada é contínua e proveniente dos ombros e braços, podendo, ao
final, haver uma leve vibração para se obter maior relaxamento do paciente. Pode ser realizada em qualquer região da parede torácica, desde que as mãos se encontrem bem posicionadas.

O objetivo principal da pressão expiratória é desinsuflar os pulmões. Fisiologicamente ocorre uma diminuição do espaço morto e, consequentemente, do volume residual (VR); aumento do volume corrente (VC) e maior ventilação pulmonar, que, por sua vez, oxigenará melhor o sangue. Objetiva-se também com esta manobra um ganho de mobilidade da caixa torácica, bem como um auxílio na mobilização de secreções. Na sua parte final, assiste e estimula a tosse, por uma provável tendência de
colapso das vias aéreas.

Foram avaliados em pesquisa o uso da percussão, shaking, exercícios respiratórios e técnica da expiração forçada associada à drenagem postural em oito pacientes (cinco apresentavam bronquiectasia, dois bronquite crônica e um fibrose cística).

Houve um aumento significativo na quantidade de secreção produzida durante cada um dos tratamentos, entretanto a associação da drenagem postural e a
técnica da expiração forçada obtiveram melhores resultados na mobilização da secreção. Outra revisão em portadores de DPOC e bronquiectasia mostrou que a combinação das técnicas manuais de drenagem postural, percussão e expiração forçada beneficiaram a clearance das vias aéreas, porém não houve melhora na função pulmonar.

É contraindicada em pacientes com:

Fraturas de costelas

Osteoporose

Sob costelas flutuantes ou pneumotórax espontâneo não controlado

Edema agudo de pulmão;

Cardiopatias valvulares;

Extravasamento de líquidos nos espaços pleurais e em estado de crise respiratória.

Fonte



Já acessou o FAÇA FISIOTERAPIA hoje?
Saiba mais sobre ESSE ASSUNTO clicando aqui!
Receba as NOTÍCIAS no seu email se inscrevendo aqui!
Veja os melhores EQUIPAMENTOS e CURSOS ON LINE de Fisioterapia.
Assista VIDEOS de Fisioterapia



COMENTE O POST