Estudo de Revisão Sobre a Intervenção Fisioterapêutica na Bronquiolite Viral Aguda









INTRODUÇÃO

A Bronquiolite Viral Aguda (BVA), é uma doença inflamatória do trato respiratório inferior, onde a infecção nos dois primeiros anos de vida é a causa mais comum apresentando pico de incidência por volta dos seis meses de idade. 1 Tem etiologia viral, que provoca obstrução das vias aéreas de pequeno calibre podendo ter manifestações que variam de quadros leves até muito graves, colocando crianças acometidas em risco de vida.2

O principal agente etiológico é o vírus sincicial respiratório (VSR), todavia outros vírus como adenovírus, influenza e parainfluenza, podem também acarretar a bronquiolite.3 A bronquiolite aguda pode ser identificada por algumas manifestações clínicas, tais elas como, coriza, febre, tosse e sibilância e pode ser observada no exame de radiografia de tórax que irá revelar nas imagens uma hiperinsuflação, infiltrados grosseiros e preenchimento peribrônquico.4

Segundo Remondini R. (2014); O tratamento da bronquiolite aguda é bastante controverso e inclui medicamentos, como broncodilatadores, adrenalina, mucolíticos e corticoide inalatório, além de hidratação, oxigenação e fisioterapia respiratória.5

OBJETIVO

O objetivo deste trabalho, tem como principal interesse fazer uma revisão bibliográfica sobre bronquiolite viral aguda, relacionando sua história, manifestações clínicas e tratamento medicamentoso e fisioterapêutico.

MATERIAIS E MÉTODOS

Para esse estudo, foram selecionados, a partir de uma pesquisa no banco de dados da scielo, pubmed e livros, nacionais e internacionais, os artigos mais significativos acerca do tema entre os anos de 1998 a 2017.

DISCUSSÃO

Bronquiolite viral aguda (BVA) é a doença viral mais comum das vias aéreas inferiores em lactentes, tendo diagnóstico acima de tudo clínico caracterizada por inflamação, edema e necrose de células epiteliais de pequenas vias aéreas, com aumento de produção de muco e broncoespasmo.6 Nos primeiros anos de vida, é uma das causas mais frequentes de infecção, hospitalizando cerca de dois em cada cem lactentes e atingindo cerca de 15% das crianças de até dois anos de idade.7

Segundo Carvalho, 2007 em geral, a bronquiolite aguda é uma doença autolimitada, com uma taxa de mortalidade baixa (<1%), embora possa ser mais elevada em grupos de crianças de alto risco como prematuros, com displasia broncopulmonar, cardiopatia congênita, desnutridos, entre outros, em que está associada a doença prolongada e onde há maior risco de óbito.8

Na bronquiolite aguda, há um desarranjo entre ventilação e perfusão nas áreas de hiperinsuflação e atelectasia, que é a principal característica da doença, o que acaba agravando a hipoxemia e causando hipercapnia devido a infecção do epitélio bronquiolar que promove o aumento da produção do muco, a obstrução parcial da luz bronquiolar (que leva à hiperinsuflação) e a obstrução total que produz atelectasias, provocando a hipoxemia, como resultado do aumento da resistência ao fluxo aéreo e das alterações nas trocas gasosas.9

Para prevenir e tratar complicações pulmonares, a fisioterapia respiratória é fundamental e tem como objetivo melhorar o desconforto respiratório.10 Segundo Castro, 2011 a fisioterapia tem sido realizada na bronquiolite aguda com o objetivo de desobstrução brônquica, desinsuflação pulmonar e recrutamento alveolar, e é utilizada em atendimento manobras técnicas como aumento do fluxo expiratório (AFE), posicionamento, aspiração as vias aéreas e vibração manual e tapotagem.4

TÉCNICAS FISIOTERAPÊUTICAS

• Aumento do fluxo expiratório (AFE)
Segundo Sá, 2012, o AFE é uma das técnicas fisioterapêuticas mais utilizadas em pediatria, tendo como objetivo mobilizar, deslocar e eliminar as secreções traqueobronquicas. O Aumento Do Fluxo Expiratório (AFE) é definido como aumento do volume expirado, e é uma técnica de desobstrução brônquica que pode ser aplicada quando existe doença respiratória com obstrução das vias aéreas desde o nascimento, inclusive no RN prematuro.11
• Posicionamento ou drenagem postural
A drenagem postural é definida através de posicionamentos específicos favorecendo a drenagem de secreções a partir da gravidade. O terapeuta posiciona o neonato ou a criança com o objetivo de drenar áreas do pulmão nas quais são detectadas secreções.12 São aplicadas as posturas de Decúbito elevado onde a drenagem é feita nos lobos superiores, Decúbitos laterais sem elevação que é a drenagem isolada de cada pulmão e a Decúbito Ventral que engloba drenagem na região dorsal do pulmão. A utilização de posicionamentos específicos, que favorecem a drenagem das secreções brônquicas a partir da ação gravitacional, define a drenagem postural.13
• Aspiração das vias aéreas
É uma medida usada para a desobstrução traqueobrônquica das crianças, onde há uma resistência respiratória localizada nas vias aéreas superiores e, nos lactentes, que respiram predominantemente pela via nasal, a depuração destas secreções pode ter um impacto positivo no trabalho ventilatório e aliviar os sintomas.1
• Vibração manual e tapotagem
Silva, relata que a vibração manual e a tapotagem é uma técnica fisioterapêutica que utiliza-se as mãos ou dispositivos elétricos para aplicação da energia mecânica sobre a parede torácica como complemento da higiene brônquica.14

CONCLUSÃO

O presente estudo visou fazer uma revisão bibliográfica a fim de relatar a influência das técnicas fisioterapêuticas na bronquiolite viral aguda . Após esta revisão, pode-se concluir que apesar das técnicas da fisioterapia oferecerem benefícios para os pacientes com bronquiolite viral aguda ainda não existem evidências concretas para a efetividade da fisioterapia afim de alterar o curso da doença.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AMANTÉA, Sérgio Luís; SILVA, Fernando Abreu. Bronquiolite viral aguda – um tema ainda controvertido. Jornal de Pediatria – Vol. 74, Supl. 1, 1998. http://www.jped.com.br/conteudo/98-74-S37/port.pdf
ALBERNAZ, Elaine P. et al. Fatores de risco associados à hospitalização por bronquiolite aguda no período pós-neonatal. Revista de Saúde Pública (RSP), 2003 https://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102003000400014&lng=pt&nrm=iso
LANZA, Fernanda de Córdoba. et al. Fisioterapia respiratória em lactentes com bronquiolite: realizar ou não? O Mundo da Saúde São Paulo: 2008: abr/jun 32(2):183-188. https://www.saocamilo-sp.br/pdf/mundo_saude/59/183a188.pdf
CASTRO, Giselle. et. al. Análise dos sintomas, sinais clínicos e suporte de oxigênio em pacientes com bronquiolite antes e após fisioterapia respiratória durante a internação hospitalar. Rev. paul. pediatr. vol.29 no.4 São Paulo Dec. 2011 http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-05822011000400020&lang=pt
REMONDINI, Renata. et al. Análise comparativa dos efeitos de duas intervenções de fisioterapia respiratória em pacientes com bronquiolite durante o período de internação hospitalar. Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP, Brasil, 2014 http://www.scielo.br/pdf/eins/v12n4/pt_1679-4508-eins-12-4-0452.pdf
BRANDÃO, Heli V. et al. Bronquiolite viral aguda e risco de asma em escolares: análise de coorte de recém-nascidos brasileiros. J. Pediatr. (Rio J.) vol.93 no.3 Porto Alegre May./June 2017 http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572017000300223&lng=en&nrm=iso&tlng=pt
ALBERNAZ, Elaine P. et al. Hospitalização por bronquiolite aguda como fator de risco para sibilância recorrente. Cadernos de Saúde Pública (CSP) https://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2000000400023&lng=pt&nrm=iso
CARVALHO, Werther Brunow; JOHNSTON, Cíntia; FONSECA, Marcelo Cunio. Bronquiolite aguda, uma revisão atualizada. Rev. Assoc. Med. Bras. vol.53 no.2 São Paulo Mar./Apr. 2007 http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-42302007000200027
LUISI, Fernanda. O papel da fisioterapia respiratória na bronquiolite viral aguda. Scientia Medica, Porto Alegre, v. 18, n. 1, p. 39-44, jan./mar. 2008 http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/scientiamedica/article/viewFile/2312/7853
BORGES, Maria Emilia Silva; GARDENGHI, Giulliano. A Fisioterapia na Bronquiolite Viral Aguda (BVA) http://www.ceafi.com.br/publicacoes/download/a90158fe3e51e70073f035eb764a01d06
SÁ, Fabiane Elpídio. et al . Estudo sobre os Efeitos Fisiológicos da Técnica de Aumento do Fluxo Expiratório Lento em Prematuros. Rev Fisioter S Fun. Fortaleza, 2012 Jan-Jun; 1(1): 16-21. 2012 http://www.fisioterapiaesaudefuncional.ufc.br/index.php/fisioterapia/article/viewFile/64/pdf_1
CASTRO, Ana Teresa; SILVA, Sofia Ferreira; PALHAU, Lurdes. Cinesiterapia Respiratória na Bronquiolite Aguda. Vol 17 I Nº 1 I Ano 17 (2009) I Revista da Sociedade Portuguesa de Medicina Física e de Reabilitação. https://spmfrjournal.org/index.php/spmfr/article/viewFile/58/63
FILHO, José Mendonça Bezerra. et al. Fisioterapia na Bronquiolite Viral Aguda. Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares – Ebserh. 2016 http://www.ebserh.gov.br/documents/147715/0/POP+35+Fisioterapia+na+bronquiolite+viral+aguda+5.pdf/9973dc94-2fa4-446f-bb02-313aa7d5b669
SILVA, Bruna Paula Xavier Andrade; GARDENGHI, Giulliano. Higiene brônquica em pediatria. http://www.ceafi.com.br/publicacoes/download/acebb1f9261301266cb9260d8c3da2375


Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Tenho indicações para você apofundar seus estudos em Cardiologia. Espia só:
  • Sistema Cardiovascular: anatomia e fisiologia
  • Curso de Eletrocardiograma Básico
  • Drive Virtual de Fisioterapia na Cardiologia
  • Curso Online de Fisioterapia Aplicada à Cardiologia


  • Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.