7 manobras para usar na pneumonia infantil adquirida na comunidade









A pneumonia adquirida na comunidade (CAP) é uma das infecções graves mais comuns em crianças. Sua incidência em crianças com menos de 5 anos em países em desenvolvimento atingiu 0,29 #capital por ano, com uma taxa de mortalidade de 1,3-2,6%. PAC pediátrica é definida como a presença de sinais e sintomas de pneumonia em uma criança previamente saudável devido a uma infecção que tenha sido adquirida fora do hospital. Determinar a etiologia da PAC ainda é difícil em ambientes clínicos rotineiros considerando a dificuldade em obter espécimes apropriados do trato respiratório inferior de crianças. Foi relatada uma diferença sazonal e geográfica considerável nessa etiologia. Na maioria dos estudos, Streptococcus pneumoniae tem sido o agente etiológico mais comum identificado

A Fisioterapia respiratória vem sendo um instrumento terapêutico que esteve presente em diferentes momentos as sociedade mundial. Foram as doenças obstrutivas as primeiras a serem referidas em trabalhos científicos com descrição de técnicas fisioterapêuticas. É fácil imaginar que as condições pulmonares de hipersecreção inquietavam profissionais de saúde, médicos ou terapeutas, denominada, na Europa por muito tempo, ginástica respiratória.

Fato é que já no início da século passado, o quadro clínico advindo do excesso de secreção crônica, as infecções recorrentes e a qualidade de vida prejudicada em muitos pacientes foram constatações da necessidade ou da possibilidade de fazer algo a mais, sem considerar a antibioticoterapia precária daquela época e a falta de conhecimento dos agentes bacterianos. A infecção do trato respiratório inferior é uma das principais doenças que acometem a população pediátrica e neonatal. Promove alterações na mecânica respiratória e na relação ventilação/perfusão, podendo a criança apresentar quadros importantes de insuficiência respiratória aguda.

As principais alterações provocadas por esse mal decorrem da exacerbação do processo inflamatório e acarretam importante acúmulo de secreção brônquica com consequente incapacidade do sistema respiratório em realizar adequada ventilação alveolar.

Por esses fatores, torna-se evidente a importância da fisioterapia respiratória em pacientes acometidas por essa afecção.

Padrão de Soluço ou Suspiro: Nesse tipo de padrão solicita-se ao paciente que a inspiração normal seja fracionada em 2 e 3 tempos. A inspiração fracionada com pequenos volumes (sniffing), frequentemente, é usada para facilitar a contração doa diafragma e o aprendizado do PD (padrão diafragmático). A utilização de VC baixo torna o fluxo inspiratório mais laminar, favorecendo uma distribuição mais homogênea da ventilação pulmonar em regiões com alterações obstrutivas.

Padrão de Intercostais: nesse tipo de padrão o paciente é orientado a inspirar e expirar pelo nariz, com as maiores frequência e amplitude respiratórias possíveis. O aumento da FR (frequência respiratória) diminui o T, consequentemente, ocorre aumento da CRF. A relação entre o tempo inspiratório e o expiratório é de 1:1.

Padrão de Expiração Forçada: Nesse padrão o paciente é orientado a fazer uma expiração forçada, ou seja, a volume residual. A utilização desse padrão, tem como objetivo aumentar a ventilação dos ápices pulmonares.

Drenagem Postural: As drenagens posturais ou simplesmente posturas tem como objetivo remover secreções brônquicas das regiões periféricas para as regiões centrais dos pulmões, pelo emprego da ação da gravidade.

Tosse Assistida: Esse tipo de tosse é um recurso não-invasiva empregado nos casos em que os pacientes são incapazes de expulsar forçadamente o ar para
remover as secreções brônquicas. A tosse assistida também pode ser reconhecida como tosse cinética ou terapêutica. A técnica necessita da compressão manual do fisioterapeuta sobre o toráx do paciente quando esse tenta tossir. Nesse momento é fundamental importância que o fisioterapeuta acompanhe com as mão o tempo e o movimento expiratório do paciente. Deve-se lembrar que a técnica deve ser um estímulo e assistência, sem causar incômodo e desconforto ao paciente.

Aumento do Fluxo Expiratório (AFE): A técnica do AFE consiste em uma expiração ativa ou passiva associado a um movimento toracoabdominal sincronizado gerado pela compressão manual do fisioterapeuta, durante a fase expiratória do paciente. Dessa maneira promove-se um esvaziamento passivo do ar presente nos pulmões, facilitando o deslocamento das secreções.

Expiração Lenta Prolongada (ElPr): Segundo o Consenso de Lyon (1994), a expiração lenta e prolongada é uma técnica passiva, utilizada em recém-nascidos, realizando uma pressão manual externa lenta iniciada ao final da expiração espontânea e continuada até o volume residual


Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Tenho indicações para você apofundar seus estudos em Cardiologia. Espia só:
  • Sistema Cardiovascular: anatomia e fisiologia
  • Curso de Eletrocardiograma Básico
  • Drive Virtual de Fisioterapia na Cardiologia
  • Curso Online de Fisioterapia Aplicada à Cardiologia


  • Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.