Ciclos ventilatórios: fases, critérios e classificação









O ciclo respiratório na ventilação mecânica?pode ser dividido em quatro fases:

• Fase 1 • o início da inspiração, denominado "disparo" do ventilador; • o disparo pode ser feito pelo próprio ventilador, a partir da freqüência respiratória ajustada, ou pelo paciente, quando se ajusta uma sensibilidade no ventilador e ela é deflagrada pelo esforço do paciente.

• Fase 2 • a inspiração; • é a fase de fornecimento de fluxo inspiratório pelo ventilador; • ao final do fornecimento do fluxo inspiratório, mas antes do início da expiração, algumas modalidades permitem o ajuste de pausa inspiratória, durante a qual o ar permanece aprisionado dentro do sistema respiratório (pulmões, vias aéreas, cânula traqueal e circuitos).

• Fase 3 • transição da inspiração para a expiração, denominada "ciclagem" do ventilador; • diferentes comandos podem determinar a ciclagem do ventilador, caracterizando diferentes modalidades. Os principais comandos de ciclagem são: volume corrente, pressão inspiratória, tempo inspiratório e fluxo inspiratório.

• Fase 4 • a expiração, caracterizada pela abertura da válvula de exalação, permitindo a saída de ar passivamente. Os diferentes tipos de interação entre o paciente e o ventilador nas fases do ciclo respiratório é que caracterizam os diferentes modos ventilatórios.

Critérios para se classificar um ciclo ventilatório? Os ciclos ventilatórios podem ser classificados a partir de dois critérios:

• o tipo de ciclo respiratório ofertado pelo ventilador;

• o tipo de controle do ventilador sobre os ciclos.

Classificação dos ciclos ventilatórios

São três os diferentes tipos de ciclos ofertados pelo respirador:

Controlado Ciclo - em que a inspiração é iniciada, controlada e finalizada pelo ventilador. Assim, para um ciclo ser controlado, o momento do disparo e a oferta do fluxo de ar na inspiração são determinados por ajustes no ventilador.

Assistido Ciclo - em que a inspiração é iniciada, isto é, disparada pelo paciente. A partir do disparo, o ventilador então prossegue com a inspiração e mantém o controle da fase inspiratória até seu final. Por exemplo, o ventilador mantém o fluxo e o volume corrente programados na ventilação ciclada a volume. A diferença essencial do ciclo assistido em relação ao controlado está no disparo. Para tanto é necessário que haja esforço muscular respiratório capaz de despressurizar a via aérea e um mecanismo do ventilador pronto a reconhecer este esforço. O ajuste do ventilador que detecta a "queda" de pressão na via aérea correspondente ao esforço do paciente é a sensibilidade.

Espontâneo Ciclo - em que o paciente respira normalmente acoplado ao circuito do ventilador, com o controle de toda fase inspiratória e não só do disparo. No ciclo espontâneo o paciente determina o disparo, o fluxo, o volume e a duração do tempo inspiratório. Na maior parte das vezes o ventilador mantém apenas uma pressão de via aérea positiva na inspiração e na expiração.
Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Tenho indicações para você apofundar seus estudos em Cardiologia. Espia só:
  • Sistema Cardiovascular: anatomia e fisiologia
  • Curso de Eletrocardiograma Básico
  • Drive Virtual de Fisioterapia na Cardiologia
  • Curso Online de Fisioterapia Aplicada à Cardiologia


  • Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.