Atuação do fisioterapeuta em todos os momentos do COVID-19










Desde 11 de março de 2020 vivemos oficialmente em uma pandemia pela Covid-19. O assunto notório, amplamente divulgado pelos veículos de comunicação, vem levantado a demanda para a atuação em diversas áreas — e a fisioterapia é uma delas.

Nas hospitalizações por Covid-19, o auxílio da fisioterapia é capaz de acelerar o processo de recuperação do paciente, diminuindo a necessidade de medicamentos e o risco de sequelas após a internação.

Além de fortalecer a musculatura esquelética e reduzir a perda de massa muscular durante esse período, a fisioterapia desempenha um papel crucial para atenuar os sintomas cardiorrespiratórios decorrentes da doença.


No ambiente hospitalar, a presença do fisioterapeuta é importante tanto para o fortalecimento da capacidade pulmonar nos casos menos graves quanto para a execução de procedimentos mais invasivos em pacientes de UTI. É um dos principais cenários de prática do fisioterapeuta respiratório. Este é responsável não apenas por ajustar os parâmetros do respirador, mas também por assistir diversos procedimentos no hospital. Aspiração de vias aéreas, cuidado com o tubo orotraqueal e suspeição de complicações fazem parte de sua rotina.

Fisioterapia em hospitalizados leves

Para os pacientes de Covid-19 que não necessitam de terapia intensiva, a atuação do fisioterapeuta envolve basicamente a educação sobre a doença e o processo de tratamento, além de ações de fisioterapia preventiva para evitar o agravamento dos sintomas.

Além de exercícios respiratórios, as ações podem incluir adequação postural, manutenção de amplitude de movimento e exercícios físicos aeróbios leves.

Considerando as questões de segurança durante a pandemia, em alguns casos essa assistência pode ser feita com o auxílio de vídeos, manuais ou consultas de telemedicina.

Fisioterapia em hospitalizados graves

Nas unidades de terapia intensiva, as intervenções do fisioterapeuta incluem o manejo respiratório e o gerenciamento da postura do paciente, além da realização de atividades de mobilização precoce para evitar complicações decorrentes da imobilidade.

Quando a condição do paciente permite, o fisioterapeuta é o responsável por garantir períodos de ortostatismo para facilitar a função cardiorespiratória. O procedimento consiste em elevar a cabeceira da cama até para a posição sentada durante 30 minutos, três vezes ao dia.

Outro exemplo de troca postural realizada pelo fisioterapeuta é a pronação, manobra que consiste em deixar o indivíduo de barriga para baixo, de modo a evitar o acúmulo de secreção na base do pulmão, reativar as vias aéreas e reduzir a sobrecarga cardíaca.

Dependendo do grau de sedação do paciente, o profissional pode realizar ainda treinamentos ativos ou passivos envolvendo movimento articular, alongamentos e estimulação elétrica neuromuscular (FES).

É importante lembrar que um paciente intubado, desde que esteja acordado e tenha noção corporal, também pode fazer exercícios ativos assistidos

As ações de mobilização precoce podem ocorrer ainda no leito e evoluir para sedestação beira-leito, treino de equilíbrio, treino de sedestação-ortostase, cicloergometria e até deambulação.

Além disso, o fisioterapeuta também tem um papel fundamental na recuperação da função pulmonar do paciente: após dias entubado, ele pode sofrer com hipotrofia da musculatura respiratória e precisar de auxílio após a extubação. Nesse momento, será essencial um acompanhamento estreito do paciente para devolvê-lo sua função respiratória.

Recuperacão pós-UTI

Quando um paciente grave de Covid-19 consegue sair da UTI, é preciso dar continuidade ao tratamento em apartamentos ou enfermarias até que ele esteja pronto para ter alta e possa se recuperar em casa.

A dificuldade de dar alta ao paciente assim que ele sai da UTI se deve ao processo de enfraquecimento muscular que ocorre durante esse período, decorrente da falta de mobilidade e da alimentação estritamente controlada.

É sabido que um paciente crítico pode perder entre 17% e 30% da massa muscular nos 10 primeiros dias de uma internação sob cuidados intensivos. Nos casos mais graves de Covid-19, a permanência na UTI pode durar de duas a três semanas (ou mais).

Para auxiliar na recuperação desses pacientes ainda no hospital, o fisioterapeuta pode recorrer a exercícios com pesos para fortalecer a musculatura respiratória e periférica (braços e pernas).

Fisioterapia após a alta do paciente com Covid-19

O Covid-19 não preocupa apenas pela sobrecarga do sistema de saúde durante a pandemia: também há uma grande preocupação com o período após ela, devido a complicações da Covid-19 e outras doenças.

A  prática já mostrou que uma parcela significativa dos recuperados continuam necessitando de fisioterapia (principalmente respiratória) por um longo tempo após a saída do hospital.

Os especialistas recomendam que a fisioterapia respiratória inicie tão logo o paciente esteja curado dos sintomas mais graves, já que os primeiros sete dias após a alta são decisivos para o desfecho da recuperação funcional.

Considerando problemas como desgaste muscular, desnutrição, perda de peso, dificuldades respiratórias e de deglutição decorrentes da intubação, o trabalho de reabilitação nesses casos pode durar de seis semanas a seis meses.

As atividades propostas incluem desde o uso de um aparelho específico para trabalhar a musculatura respiratória até atividades físicas leves, que não envolvem o uso de pesos ou outros aparelhos.

No caso do exercício respiratório, é necessário um acompanhamento constante do paciente para que se possa quantificar a resistência ideal do aparelho em cada caso.

Vale lembrar que, durante a pandemia de coronavírus, o acompanhamento pode ser feito de forma remota, com o fisioterapeuta repassando orientações de exercícios físicos e respiratórios para o paciente fazer em casa.

Essa modalidade de atendimento está autorizada desde março após uma resolução do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional.

A fisioterapia respiratória utiliza técnicas para o tratamento e a prevenção de doenças que afetam o sistema respiratório. Para tanto, os fisioterapeutas adotam exercícios que ajudam na expectoração e ampliação da capacidade pulmonar, melhorando a qualidade de vida dos pacientes.  O período da pandemia pela Covid-19 aumentou a demanda por esse tipo de profissional, algo que pode perdurar ainda por meses ou anos.



Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Tenho indicações para você apofundar seus estudos em Cardiologia. Espia só:
  • Sistema Cardiovascular: anatomia e fisiologia
  • Curso de Eletrocardiograma Básico
  • Drive Virtual de Fisioterapia na Cardiologia
  • Curso Online de Fisioterapia Aplicada à Cardiologia


  • Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.