Desmame ventilatório em pacientes com DPOC









A doença pulmonar obstrutiva crônica, conhecida pela sigla DPOC, caracteriza-se pela obstrução do fluxo aéreo, sendo em geral progressiva, estando  associada a uma resposta inflamatória anormal dos pulmões à inalação de partículas ou gases tóxicos, tendo como principal causa de ocorrência é o tabagismo. Em razão do processo inflamatório crônico que se instaura o paciente pode adquirir bronquite crônica, bronquiolite obstrutiva e enfisema pulmonar.

O suporte ventilatório mecânico na DPOC tem indicação nas exacerbações com hipoventilação alveolar e acidemia e, em menor frequência, naquelas que apresentam hipoxemia grave que não permita correção através da oferta de oxigênio suplementar.

Deve-se considerar que a Ventilação Não Invasiva (VNI), respeitando seus critérios de execução, é a melhor opção para reversão desta condição e evitar que o uso da ventilação mecânica invasiva (VMI).

No caso de aplicação da VNI, a manutenção da ventilação espontânea tende a ser mais eficiente. Esse procedimento reduz o trabalho ventilatório, reduzindo também o índice de dispneia e, em contrapartida promove o aumento do volume residual, prevenindo, por essa forma, a presença de atelectasias, favorecendo, também, o recrutamento alveolar, além de incrementar PaO2.

A principal vantagem da VM reside no fato de a medida proporcionar um descanso adequado aos músculos respiratórios, contribuindo para ocorrer a inversão da fadiga muscular e na consequente resolução da IRpA. Esta vantagem, a longo prazo, pode ser um dos grandes revezes na evolução do desmame devido ao quase desuso da musculatura respiratória.

No Brasil estima-se que 5,5 milhões de pessoas sejam acometidas por DPOC ocupando entre a quarta e a sétima posição das principais causas de morte.

Quando o desmame ocorre de forma prolongada, é considerado como desmame difícil. Este, é responsável pelo aumento da morbidade, bem como dos custos relacionados à UTI .

O desmame, ainda é um dos maiores desafios dentro da terapia intensiva. Pode ser considerado uma "mistura de arte e ciência", mesmo sendo feitos por profissionais intensivistas especializados. Em meio a pratica clínica, mesmo adotando-se o uso de protocolos, testes para evolução do processo e respeitando a individualidade de cada paciente há casos em que o Fisioterapeuta enfrenta falha no desmame, o que, segundo a literatura, a ocorre com uma média entre 20% e 30% dos pacientes.

O fisioterapeuta deve estar atento ao fato de que, no momento da transição entre a VM e ventilação espontânea, podem ocorrer muitos distúrbios respiratórios, que podem ser agravados em decorrência de fatores restritivos, tais como sedação, algias e a presença de drenos torácicos e abdominais, ou obstrutivos no caso da DPOC.

Conheça esse curso Ventilação Mecânica Invasiva no Adulto, que visa capacitar os profissionais da área de saúde a recepcionar o cliente com Insuficiência Respiratória e oferecer um suporte ventilatório de forma inteligente; do acolhimento ao desmame. Clique aqui e saiba mais!


Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Tenho indicações para você apofundar seus estudos em Cardiologia. Espia só:
  • Sistema Cardiovascular: anatomia e fisiologia
  • Curso de Eletrocardiograma Básico
  • Drive Virtual de Fisioterapia na Cardiologia
  • Curso Online de Fisioterapia Aplicada à Cardiologia


  • Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.