1 Tolerância ao exercício A avaliação da tolerância ao exercício é essencial no início do programa de reabilitação, visto que um dos objetiv...

Avaliação da Reabilitação Pulmonar



1 Tolerância ao exercício

A avaliação da tolerância ao exercício é essencial no início do programa de reabilitação, visto que um dos objetivos da reabilitação é aumentar a habilidade do indivíduo no desempenho da atividade física. O resultado de um teste de exercício é importante para avaliar o nível de incapacidade, identificar a limitação do exercício continuado, ajudar na programação de um regime de treinamento e identificar quaisquer benefícios da reabilitação.

Como um exemplo de teste simples, tem-se a caminhada de 6-12 minutos, pois consiste em realizar passo ao próprio ritmo.


2 Avaliação da dispnéia

Um dos objetivos da reabilitação está em ajudar o indivíduo a controlar e a reduzir a falta de ar (dispnéia). Inevitavelmente, a medida precisa da dispnéia é difícil, assim como a sensação de dor é subjetiva, a magnitude do desconforto é aparente somente ao indivíduo. Os mais simples instrumentos de avaliar a dispnéia são a escala análoga visual
(FAV) e a escala subjetiva de Borg, sendo que ambas as escalas são úteis, pois podem ser usadas tanto no repouso, como dados significativos podem ser coletados durante ou imediatamente após o exercício.

3 Avaliação músculoesquelética

Muitos pacientes com disfunções respiratórias apresentam fatores limitantes à tolerância ao exercício e às atividades funcionais, como por exemplo, problemas de pouca flexibilidade ou anormalidades da coluna vertebral torácica, caixa torácica e articulações esternais. Isso pode ser explicado parcialmente pela má postura, diminuição dos níveis de atividade e diminuição da força dos músculos respiratórios, além do provável avanço da idade.

Fonte

O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urg...

Edema agudo de Pulmão


O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente.

Causas de edema agudo de pulmão:
  • Infarto do miocárdio - é a causa mais comum
  • Disfunção do músculo cardíaco
  • Doenças das válvulas, aórtica ou pulmonar
  • Administração exagerada de líquidos, comum em crianças ou pacientes que recebem líquidos (soros) em excesso pelas veias.

O coração é dividido em quatro partes (câmaras) responsáveis pela entrada de sangue no coração; um átrio e um ventrículo à direita, um átrio e um ventrículo à esquerda, responsáveis pela circulação do sangue no coração e por todo o corpo.. Na insuficiência cardíaca esquerda, há um acúmulo de sangue nas veias e capilares pulmonares a tal ponto que acontece um extravasamento de fluídos para os espaços aéreos dos pulmões. Isso deixa o pulmão menos elástico e com menos superfície de contato entre os gazes inspirados e o sangue.

Prevenção do edema agudo de pulmão.

Na maioria dos casos, não temos possibilidade de evitar o edema agudo.

Os riscos podem ser diminuídos pelo pronto tratamento e pela condução adequada das doenças que podem levar ao edema agudo.

Sinais e sintomas de edema agudo.
  • Respiração curta com severa dificuldade respiratória.
  • Fome de ar
  • Respiração estertorosa; pode-se escutar o borbulhar do ar no pulmão.
  • Ortopnéia-o doente sente necessidade de sentar, não tolera permanecer deitado.
  • Batimento das asas do nariz (eventual)
  • Expectoração sanguinolenta e espumosa (eventual)
  • Uma radiografia de tórax pode mostrar o acúmulo de líquidos no pulmão.

Tratamento.

O edema agudo de pulmão é uma emergência médica e necessita de:
  • tratamento imediato
  • transferência para um serviço de urgência ou emergência de um hospital.
Se possível, dar oxigênio por máscara ou através de entubação da traquéia.

O garroteamento alternado de pernas e braços pode ser feito enquanto se aguarda um atendimento especializado.

Na emergência podemos usar Furosemida por via intra venosa (na impossibilidade de obter acesso venoso, pode-se administrar o medicamento via intramuscular) na tentativa de forçar a eliminação de líquidos, morfina para aliviar a congestão pulmonar e a ansiedade. As demais medicações usadas são para tratar as doenças que estão por trás do edema agudo. Isso deve ser feito por médico e num ambiente hospitalar, de preferência.

Por ser o edema agudo de pulmão uma emergência médica, a prioridade no momento do atendimento é a administração dos medicamentos e as medidas que aliviem o trabalho do coração. A remoção para um local adequado é a segunda prioridade.

Esteja preparado para emergências!

Mantenha sempre os telefones dos serviços de emergência e do seu médico à mão, num lugar de destaque e acessível.

Essa doença consiste em obstrução das vias aéreas determinada pela grande quantidades de tecido de granulação que é produzido através de mec...

Bronquite Obliterante



Essa doença consiste em obstrução das vias aéreas determinada pela grande quantidades de tecido de granulação que é produzido através de mecanismos de reparo de quando os bronquíolos e vias aéreas menores são lesados. No decorrer do tempo, as luzes das vias aéreas são obliteradas com massas nodulares de granulação e fibrose. A síndrome também esteve associadas às doenças dos tecidos conjuntivo, e relatou-se que algumas drogas também poderiam desencadear. Em crianças a maioria dos casos está temporariamente relacionadas a uma infecção pulmonar.

Inicia-se com tosse, dificuldade respiratória e uma possível cianose . Estes sintomas ocorrem más, podem se seguidos pôr breve período de melhor aparência. A radiografia de tórax, freqüentemente, sugere tuberculose miliar. Pode-se observar um infiltrado difuso mais inespecífico.

Não existe nenhum tratamento específico. A anatomopatologia sugere um quadro fibrótico progressivo que teoricamente poderia ser retardado pela terapia com corticosteróides.

Taquipneia Transitória do Recém Nascido
Uma taquipnéia inexplicável, ou desconforto respiratório, ocorre freqüentemente em recém nascido a termo e prematuros. Na radiografia do tórax, quase sempre se observa uma densidade peri-hilar aumentada, com líquido o espaço pleural ou na pequena cissura. A absorção retardada do líquido pulmonar fetal foi sugerida como um fator etiológico. È possível que outros fatores tais como: aspiração de líquido aminiótico e muco, possam responder pela evolução clínica e radiológica.

Não há tratamento específico e o desconforto respiratório é auto limitado, quase sempre resolvendo-se em 24 a 72 horas. A conduta consiste em monitorizar as freqüências cardíacas e respiratórias e suspender alimentação a fim de evitar a aspiração, até que melhore a taquipnéia.

Quantas vezes você aconselhou uma amiga a respirar fundo para evitar aquele escândalo (contra o estúpido que roubou a vaga de estacio...

Exercicios respiratórios para problemas de saúde


Quantas vezes você aconselhou uma amiga a respirar fundo para evitar aquele escândalo (contra o estúpido que roubou a vaga de estacionamento, a chefe grossa, a fulana que paquerou o namorado dela...)? A dica tem fundamento. Respirar é uma excelente maneira de acalmar os ânimos. Mas não é só.

Fazemos o movimento de inspirar e expirar até 22 mil vezes por dia, mas a maioria de nós passa a vida respirando da maneira errada, o que pode causar malefícios surpreendentes à saúde. Os especialistas são unânimes em afirmar que somente bebês realizam o processo de forma correta. "Ao amadurecermos, percebemos as ameaças do ambiente e adotamos uma respiração defensiva, ou seja, enrijecemos a parede do abdômen e efetuamos uma respiração curta com movimentação predominantemente do tórax", explica José Roberto Leite, chefe do Núcleo de Medicina Comportamental da Universidade Federal de São Paulo.

Agora que a ciência entendeu o que os iogues pregam há anos sabemos que a respiração correta acalma a mente, bem como desempenha um papel crucial na prevenção e melhoria de doenças cardíacas, alergias e até, acredite se quiser, no combate à gordura. "A respiração é tão simples e de graça que as pessoas não acreditam nela como ferramenta de cura e prevenção", diz Herbert Benson, diretor do Hospital de Massachusetts, nos EUA. Segundo o médico César Deveza, pesquisador de técnicas respiratórias no Laboratório de Fisiologia e Sono do Incor, da Faculdade de Medicina da USP, o padrão, a frequência e a profundidade da respiração interferem nos diferentes estados emocionais, o que influencia também na qualidade de vida e na saúde.

Selecionamos exercícios que você pode fazer pelo menos uma vez ao dia — duas vezes é o ideal — durante 10 minutos. A prática aliviará seu corpo e seus nervos. Experimente.

O problema: Sobrepeso

Como todas as mulheres da Terra, vira e mexe você ganha uns quilinhos que nem imagina de onde vêm. Pois essa subida na balança pode ter vindo da sua cabeça. "O stress emocional causa ganho de peso", diz Dean Ornish, presidente do Instituto de Pesquisa e Medicina Preventiva da Califórnia, nos EUA. "Ele acelera a conversão de calorias em gordura porque você está mais propensa a se empanturrar ou fazer escolhas nada saudáveis quando está estressada." Lide com a ansiedade e lidará melhor com seu peso. Uma ótima maneira de fazer isso é diminuir a intensidade da respiração, que a ajudará a reduzir os hormônios do stress. Kelly McGonigal, autora de Yoga for Pain Relief (inédito no Brasil), aponta outro fator importante de ganho de peso que pode ser regulado pela respiração: a variabilidade da frequência cardíaca (VFC), utilizada para avaliar como seu coração está se comportando, ajuda a determinar como você reage aos problemas. "Estudos mostram que pessoas com uma alta VFC tendem a ter mais autocontrole e as com baixa VFC são mais propensas a ceder à tentação", diz ela. Entenda-se por resistir à tentação deixar aquela caixa de bombons que está ao lado do seu computador intacta durante horas a fio.

Tente isso: Respiração com os lábios franzidos


"A prática da respiração aumenta a VFC e a torna mais consciente de suas ações. Você será capaz de diminuir o stress e dar uma mão para interromper a comilança", afirma Kelly. Ela sugere uma inspiração nasal de 4 segundos, seguida de uma expiração de 8 segundos com os lábios semicerrados. Outra opção: o método de respiração hindu ujjayi. Inspire pelo nariz por 6 segundos, exale pela boca por 6 segundos, como se fosse embaçar um espelho, fazendo som de ahhh, murchando o abdômen. Na respiração seguinte, tente fazer o mesmo barulho com a boca fechada. "Deve soar como uma concha contra o ouvido", aponta McGonigal. Se soar mais como Darth Vader, você está fazendo força além da conta.


O problema: Ansiedade


"Quando você está ansiosa, limita sua respiração", diz James Gordon, autor de Unstuck: Your Guide to the Seven-Stage Journey out of Depression (inédito no Brasil). "E quando você limita sua respiração até o peito em vez de usar o diafragma aumenta a ansiedade." A chave para amenizar o problema é acalmar o sistema nervoso simpático (o motor do mecanismo de luta ou fuga, que libera adrenalina e hormônios do stress, como o cortisol) e provocar o sistema nervoso parassimpático, que controla o descanso e o relaxamento.

Tente isso: Respiração da barriga mole


A maioria das pessoas respira cerca de 15 vezes por minuto. Quando você está aborrecida, tente diminuir para seis ou sete respirações lentas e profundas. Gordon sugere uma técnica que consiste em inalar pelo nariz e exalar pela boca enquanto mantém o estômago relaxado. Essa prática estimula o nervo vago, uma parte central do sistema nervoso parassimpático.


O problema: Prisão de ventre


Os intestinos grosso e delgado desempenham tarefas essenciais, como digestão e absorção de nutrientes. Se houver desequilíbrio nessas funções, poderão surgir dores abdominais, gastrites, úlceras e alterações do trânsito intestinal. Uma respiração abdominal profunda massageia os órgãos internos e digestivos, segundo Marcelo Ribeiro Dantas, membro do Instituto de Psicologia Existencial-Humanista e Transpessoal, em Minas Gerais. "A nossa felicidade, saúde e bem-estar estão em nosso intestino", afirma.

Tente isso: Respiração no umbigo

Essa técnica consiste na respiração diafragmática, aquela bem em cima do umbigo. Ao respirar, a barriga sobe e desce. Sente-se em uma cadeira com os pés no chão. As mãos ficam abertas sobre a coxa com a palma para baixo. Feche os olhos. Inspire pelo nariz (língua colada no céu da boca) e segure por 3 segundos. Expire pelo nariz lentamente. Faça isso dez vezes e relaxe os músculos faciais. Repita a sequência de três a cinco vezes. Essa técnica estimula estômago, fígado, rins e intestinos, favorecendo a secreção de enzimas digestivas e, assim, auxiliando na absorção das substâncias nutritivas.

O problema: Parar de fumar


Algumas pessoas que tentam largar o cigarro apresentam sintomas como tontura, formigamento nas pernas e braços e desejo intenso por uma tragada. Segundo Clésio Soares, coordenador do programa antitabagismo do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (SP), a respiração é uma das práticas indicadas para tentar impedir que o ex-fumante caia em tentação. "Trata-se de uma técnica de combate ao tabagismo comprovada cientificamente."

Tente isso: Respiração profunda

Fique em pé, com os pés afastados, joelhos flexionados. Feche os olhos e deixe a cabeça pender para a frente, solta. Lentamente inspire pelo nariz. Respire profundamente, puxando o ar para dentro do abdômen, de forma que ele se expanda enquanto você inspira. Prenda um pouco a respiração e expire devagar. Coloque o ar para fora pelo nariz. Repita quatro vezes. De acordo com Soares, a respiração profunda ajuda a relaxar e auxilia no combate ao desejo por cigarros.


O problema: Doenças do coração


Somos diariamente bombardeadas com imagens, sons e emoções que deixam o nosso sistema nervoso em marcha acelerada. O resultado? Longos períodos de pressão arterial elevada, produção de adrenalina e batimentos cardíacos intensos — sintomas associados a doenças do coração. Respirar melhor reduz a pressão arterial e a frequência cardíaca elevada, ativando a mesma resposta relaxante por meio do sistema nervoso parassimpático.

Tente isso: Respiração alternada


Essa técnica reduz o batimento cardíaco e a pressão arterial diastólica, de acordo com um estudo da Faculdade de Medicina do Nepal. Sente-se de pernas cruzadas e feche os olhos. Use o polegar da mão direita para bloquear sua narina direita e inspire profundamente pela esquerda por 6 segundos. Agora, bloqueie sua narina esquerda com o quarto dedo da mão direita, solte sua narina direita e expire lentamente por 6 segundos. Com a narina esquerda obstruída, respire pela direita por mais 6 segundos. Repita a sequência inteira por, pelo menos, 2 minutos.

O problema: Alergias


Uma pesquisa constatou que, para alergias sazonais, o zumbido é um bom remédio. "O zumbido abre os orifícios que ligam os seios às cavidades nasais, facilitando a entrada de ar", explica Timothy McCall, autor de Yoga as Medicine (inédito no Brasil).

Tente isso: Respiração de abelha

Sente-se numa posição confortável, respire fundo pelo nariz e solte um estridente zumbido pelo nariz. Você deve sentir uma vibração nas vias nasais, assim como em seu peito e cabeça — McCall observa que o zumbido tende a prolongar a sua expiração, tornando essa técnica uma boa possibilidade para quem tem ansiedade. Prossiga por 10 minutos.

por Maria Fernanda Ribeiro, escrito aqui

Com relação às indicações da fisioterapia respiratória em recém nascidos pré-termo (RNPT), Paratz e Burns1 concluíram que o tratamento fisio...

Indicações e objetivos da fisioterapia respiratória neonatal e pediátrica



Com relação às indicações da fisioterapia respiratória em recém nascidos pré-termo (RNPT), Paratz e Burns1 concluíram que o tratamento fisioterapêutico em RNPT enfermos tem indicação sob certas condições clínicas, como as síndromes aspirativas, a síndrome do desconforto respiratório, pneumonias, atelectasias, e na prevenção de
complicações da ventilação mecânica. Quatro outros estudos concluíram que a intervenção fisioterapêutica está indicada na presença de secreção
na via aérea, e nos casos com evoluções desfavoráveis à gasometria e/ou ao exame radiológico, sinais indicativos de possíveis problemas com a depuração ciliar, com a ventilação ou outra alteração da mecânica respiratória, e na maioria das vezes com as três condições.
Em algumas situações a fisioterapia respiratória tem mostrado grande impacto e pode alterar o prognóstico do paciente. Isto foi observado na síndrome do desconforto respiratório, na síndrome de aspiração meconial, na displasia broncopulmonar, nas pneumonias neonatais e nos pósoperatórios de cirurgias de grande porte. A fisioterapia pré e pós-extubação também mostrou valor na redução da incidência de complicações, como as atelectasias pós-extubação.

Os pacientes pediátricos internados em terapia intensiva têm indicação de fisioterapia respiratória em casos de hipersecreção brônquica, submetidos ou não à ventilação mecânica, pois há otimização da função cardiopulmonar e redução do agravo respiratório.

Objetivos da fisioterapia respiratória neonatal

Seis estudos descrevem os objetivos da assistência a fisioterapêutica em recém-nascidos e crianças:

  • otimizar a função respiratória de modo a facilitar
  • as trocas gasosas e adequar a relação ventilação-perfusão;
  • adequar o suporte respiratório;
  • prevenir e tratar as complicações pulmonares;
  • manter a permeabilidade das vias aéreas;
  • favorecer o desmame da ventilação mecânica e da oxigenoterapia.

É uma doença relacionada a deficiência de surfactante pulmonar, resultando em atelectasia, redução da capacidade residual funcional, hipóxia...

Doença da Membrana Hialina



É uma doença relacionada a deficiência de surfactante pulmonar, resultando em atelectasia, redução da capacidade residual funcional, hipóxia e dificuldade respiratória. A medida que a atelectasia aumenta, os pulmões tornam-se cada vez mais difícil de se expandirem e a complacência pulmonar diminui consideravelmente. Em contra partida, como a caixa torácica do RN prematuro é muito complacente, ele tenta superar a complacência reduzida do pulmão com pressões inspiratórias crescentes, gerando retrações na parede do tórax. Isto resulta em troca de ar precária, aumento do espaço morto fisiológico, hipoventilação alveolar e hipercapnia. Um circulo vicioso de hipóxia, hipercapnia e acidose atua sobre as células do tipo II, reduzindo ainda mais a síntese de surfactante em alguns casos agindo sobre as arteríolas pulmonares, produzindo hipertensão pulmonar.


Os sinais e sintomas iniciais compreendem:

- Dificuldade de iniciar a respiração normal
- Gemido respiratório, quando o RN não está chorando
- Retrações esternais e intercostais
- Cianose em ar ambiente
- Batimentos de asas de nariz
- Taquipnéia
- Ausculta pulmonar com diminuição da entrada de ar
- RX aspecto retículo granuloso, em vidro fosco, com broncongramas aéreos


O tratamento consistem em:

- Colocar o RN em ambiente termoneutro para reduzir as necessidades de oxigênio e a produção de CO2
- Providenciar o acesso venoso para satisfazer as necessidades hídricas e calóricas
- Iniciar nutrição parenteral precoce para evitar desnutrição
- Adequada assistência respiratória
- Controle gasométrico e monitorização da saturação de O2
- Uso de surfactante quando necessário

BRITO (2002), define a Reabilitação Pulmonar como um programa multidisciplinar e contínuo, baseado em um diagnóstico científico e apurado, e...

Objetivos da Reabilitação Pulmonar



BRITO (2002), define a Reabilitação Pulmonar como um programa multidisciplinar e contínuo, baseado em um diagnóstico científico e apurado, envolvendo abordagens terapêuticas, suporte emocional, educação e recondicionamento físico.

De acordo com PRYOR & WEBBER (2002), os principais objetivos da reabilitação pulmonar são:

• Maximizar a independência funcional do indivíduo em suas atividades de vida diária (AVD's);

• Avaliar e iniciar, quando apropriado, o treinamento físico para aumentar a tolerância ao exercício;

• Encorajar o gasto de energia de forma eficiente;

• Proporcionar sessões educativas a pacientes, familiares e outras pessoas envolvidas em relação ao processo da doença, medicação e técnicas terapêuticas;

• Reduzir os sintomas e melhorar a qualidade de vida dos pacientes portadores de incapacidades decorrentes de problemas respiratórios.

Estudos evidenciaram como principais beneficios da reabilitação pulmonar a melhoria na qualidade de vida, a redução da ansiedade e depressão, a melhoria na tolerância ao exercício, a redução da dispnéia e outros  sintomas associados e a habilidade melhorada para realização de atividades de vida diária (AVD's).

Fonte

Faça Fisioterapia